quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

A imaginação dos outros


Estou finalmente chegando ao final de O Passado e o livro está descambando para uma putaria desenfreada. Coisas que me chocaram, até. Talvez por isso tenha tido um sonho recheado de coisas grotescas e totalmente nervoso e desconexo. Um sonho com muita gente, muita gente, eu ia casar com o Rei de Portugal, tinha muitos irmãos e irmãs, todos tinham filhos, todos dormiam juntos. Um deles falava com elfos e seres elementais. Seus cabelos pegavam fogo e ele ria.

Depois as ruas viravam um musical trash protagonizado por dois travestis que iam caminhando e cantando por ruas que eu não conheço, enquanto eu via as coisas mais bárbaras e sanguinolentas em ação ao fundo. E no meu sonho era Halloween.

Resultado disso tudo: dormi mal e dormi pouco. Pelo menos, a moça que está substituindo a nossa moça da limpeza aqui no escritório sabe fazer café, senão eu estaria perdida.

Em matéria jurídica, as coisas mais estranhas acontecem, porque o processo civil, ao contrário do processo penal, não busca a verdade dos fatos, mas a verdade dos autos. Papéis dizem qualquer coisa e quem lê entende o que quiser...

Separei um trecho d'O Passado sobre a verdade, que vou postar aqui depois. Absolutamente ótimo.

2 comentários:

Flavia disse...

O livro descambou pra putaria? Nossa, pularam essa parte no filme... *não me recordo*

Mas as palavras sempre dizem tanto, e como dizia Clarice: "que se salvem as entrelinhas"...

Bjs!

Anna Vitoria disse...

sonhos sem noção são bacanas, mas esses sonhos meio *procura uma palavra pra definir* escalafobéticos são realmente um tormento :~
só resta dar graças pela caféina :9
beijo!
http://so-contagious.zip.net