sábado, 15 de março de 2008

A beleza de ser o que é...


Como diz o ditado: cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é. Eu complemento dizendo que cada uma sabe a beleza de ser o que é.

Terminei de ler o Anybody Out There e gostei. No geral, ele é um livro sobre amor, e eu vou me conter aqui pra não entregar a história. Pensei que esse livro daria um bom filme, e acho até que o Hugh Grant deveria estar nele (daí vocês já sacam que tipo de filme seria). Marian Keyes é fun and reliable. Isso está escrito na contracapa.

Realmente, o livro é divertido, a história e as personagens: factíveis. Totalmente plausível o enredo e, como eu disse, é fácil identificar-se com as personagens. Mas, tenho de ser crítica e a verdade é que Marian Keyes é muito superficial. Aliás, a maioria dos novos autores (com algumas - poucas - exceções), são muito superficiais. Abordam bons temas, mas não conseguem aprofundá-los (talvez por isso eu tenha ficado tão chocada com O Passado, Alan Pauls realmente foi a fundo no tema escolhido). E depois, o problema, é que a Marian opta por uns clichês muito baratos, na minha humilde opinião. De qualquer forma, é um livrinho fácil e leve de ler, que a gente devora. O problema foi ter acabado tão rápido!! Não chegou o We ainda e eu não tô a fim de ler nenhum dos que eu tenho em casa e não estou a fim de ler no momento (e são alguns, só pra citar, o Agnes Grey que eu li 3 páginas e larguei; o Tempos Líquidos que eu parei na metade para pensar a respeito; o The Diamond as Big as The Ritz; dois Nietszche que estão pela metade - também precisava pensar a respeito; o Cien Años de Soledad, que está na minha cabeceira para eu iniciar a releitura uma hora dessas...)...

4 comentários:

G.D. disse...

AAAARRHGGG

Livros que, ainda que de leve, possam gerar aquele tipo de filme no qual o Hugh Grant esbarra em plena rua de Londres em uma desconhecida que, em breve, vai se configurar como mulher da vida dele sao ABOMINAVEIS.

Nao sabia disso sobre Orwell e o tal "we". Recomendacao anotada!

Vica disse...

Na verdade, a história se passa em Nova York. Acho que o Hugh Grant faria uma ponta nesse filme. Esse negócio sobre o We e o 1984 eu li na Folha de São Paulo há uns anos atrás e passei um tempão atrás do livro... deve chegar essa semana e começarei a ler imediatamente.

Dona da Linguagem disse...

Estou só esperando o resultado do diagnóstico. Tomara que eu possa mesmo escolher uma nova. Já estou começando a me empolgar. E sobre perder as fotos, ainda bem que estamos falando nisso, é hora de mais um back up!

Sobre a Marian Keyes, eu li quase todos dela, e também acho meio superficial, mas é como comédia romântica. Nem só de David Lynch vive o cinema, sem só de Milan Kundera e Saramago vive a literatura! É bom alternar de vez em quando.

Beijoca

Vica disse...

É que esse livro, o Anybody Out There, não é exatamente uma comédia romântica, o tema é bem mais denso e exigia mais, na minha opinião.