terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Sobre repetição

Terminei de ler A insustentável leveza do ser. Entrou pra minha lista dos melhores de todos os tempos. No livro ele diz que "happiness is the longing for repetition". Acho que realmente é. Que os bons momentos se repitam num looping infinito, é isso que queremos. Que a monotonia do Paraíso nos traga felicidade, e apenas isso. É um livro triste, também. E bonito, bonito.

Eu tinha 15 anos, e uma prima minha, uns 10 anos mais velha que eu, me disse que esse livro era o melhor que ela já tinha lido na vida. Na época, não sei bem por qual razão, resolvi locar o VHS e assistir ao filme. E achei o filme um lixo, chatíssimo. Claro, não entendi nada. Como eu com 15 anos de idade pretendia entender aquilo? Não havia como. Há certas coisas que voltam a nós quando estamos prontos para elas. E uma delas foi esse livro. 16 anos depois que eu deixei de ter 15 anos, e já vivi bastante coisa, o livro voltou pra mim quase como que por acidente, enquanto eu espiava livros na FNAC da Avenida Paulista, em busca de algo para ler no avião. R$14,90 por ele pareceu realmente tentador. E não há como resenhar esse livro, é necessário que você o leia e tire suas próprias conclusões. Ele contém lições de vida, ele fala de amor, é necessário absorvê-lo, ou melhor, sorvê-lo como a um líquido precioso e delicioso, aos pouquinhos, como se estivesse muito quente. Para conforme a temperatura dele for abrandando dentro de você, você passe a sentir o enorme prazer de ter ingerido algo especial.

6 comentários:

Nine disse...

Oi, Vica!!!
Já me indicaram zilhões de vezes esse livro, mas nunca me atraiu a atenção quando eu chegava nas livrarias, mas agora, mais uma vez, acho que vou tentar... quando muitas pessoas falam bem de alguma leitura assim, é porque realmente ela tem algo a nos ensinar, eu acho!!!

Beijoooooo

Romance disse...

Oi, Vica
Desde de minha adolescência que não ouço alguém recomendar esse livro. Ele foi muito badalado por causa do filme. Fiquei curiosa para lê-lo também.

Beijocas
Vivi

G.D. disse...

Eis um livro que NUNCA mais acaba, depois de lido.

Na segunda vez que li, ainda por cima, nao apenas eu ja estava mais MADURO para entender muito mais coisas (da vida...) como eu ja estava para la de familiarizado com a doutrina de Nietzsche e as referencias que o Kundera faz caem como uma luva.

Lindo!

Dani disse...

Eu amei o filme...me identifiquei total com Tereza.
E o livro..nem se fala...obra prima!
hahahaha
E eu tinha um médico na minha vida..já viu..
hahahaha]
Beijos

Faxina

AdriB. disse...

Vicaaaaa!!
Sonhei contigo. Estranho e engraçado. Depois te conto.

Te indiquei num même, se quiser fazer pega lá no MMMVestiu.

bjcas
PS.: depois volto pra ler teus posts.

Ana Cota disse...

Olá Vica!
Este livro é, sem dúvida, uma obra iniciática que abre um admirável mundo novo! E que muda, de facto, a nossa vida!
Já o li e reli e não me canso, pela forma magistral como Kundera consegue verbalizar verdades tão iluminadas, tão claras e, ao mesmo tempo, que nos escapavam por completo.
Acho particularmente enternecedora a passagem da "partilha do sono", o que revela uma sensibilidade superior.
E não entendo como é que Kundera ainda não ganhou o Nobel...
Aconselho TODOS os livros dele!

Beijinhos de Portugal
Ana