segunda-feira, 30 de junho de 2008

Sobre meninos e lobos...


Peguei um pedacinho do "Stand by me" na tv, na casa da minha mãe. Quem não ama aquele filme? Uma ótima história sobre amizade, by Stephen King.
Eu pensei nesse outro filme, "Sobre Meninos e Lobos", porque também é sobre amizade, embora seja bem diferente. Não bastasse isso, levanta uma pergunta um tanto crucial: como meninos viram lobos? Como crianças viram pessoas indecentes?
Isso deve ser porque eu simplesmente tenho uma enorme, mas enorme mesmo, dificuldade, para entender pessoas que se importam mais com coisas do que com sentimentos. Que falam em amor mas são capazes das maiores mesquinharias... Fora baixarias... isso pra mim, realmente, é difícil de entender e aceitar. Quando tu vês que as pessoas são desleais e falsas... Indecência é uma coisa séria, muito séria.
A gente não controla nada, ele me disse.
Não, ele se engana, e muito. A gente controla as nossas ações e reações. A gente controla os nossos pensamentos e sentimentos. A gente escolhe como agir. E o egoísmo cega. É essa falta de senso de comunidade que eu falo tanto. É esse olhar e não ver o outro. Tudo gira em torno do eu, por isso o amor é líquido. Por isso essas pontes que nos unem às outras ilhas-pessoas são tão mal construídas e frágeis, à primeira tempestade, perecem, e a conexão é perdida.
Foda mesmo é ter que se nivelar por baixo pra poder sair menos avariada do tsunami.

8 comentários:

Cacá BH disse...

oi vi.... então, falei de uma coisa mesquinha hj no meu blog....
de pessoas que nao valorizam o outro ser humano perto dele....
lindissimo seu texto
bjos

Julio Nunes disse...

Viramos isso pq somos humanos, e nos corrompemos fácilmente, pois a corrupção é inerente ao ser humano.

Filosofia a parte, gente tosca faz parte da "jornada" aquela coisa que sempre procuramos e chamamos de felicidade.

A felicidade é consequencia, uma maravilhosa consequencia.

Eu achei a minha felicidade numa noite fria de maio. E vc?

Lyani disse...

"E o egoísmo cega. É essa falta de senso de comunidade que eu falo tanto. É esse olhar e não ver o outro. Tudo gira em torno do eu, por isso o amor é líquido. Por isso essas pontes que nos unem às outras ilhas-pessoas são tão mal construídas e frágeis, à primeira tempestade, perecem, e a conexão é perdida.
Foda mesmo é ter que se nivelar por baixo pra poder sair menos avariada do tsunami"

Eu tinha começado a marcar um pedacinho, mas daí continuei a ler e tudo ficou lindo. Lindo!
Belíssimo post...

Bjos,
Ly

G.D. disse...

Ambos filmes muito bons, os referidos.

Senti um rompante de entusiasmo quando vi o cartaz do "Stand By Me", original, na Livraria Cultura, folheando um daqueles livros geniais com "Os melhores cartazes de filmes dos anos 10 20 30 40 50 60 70 80 90"...!! Queria ter TODOS aqueles livros INUTEIS!

Em tempos de amor totalmente liquido (ave, Zygmunt), a responsabilidade com o cuidado das relacoes se torna ainda maior.

Daniela! disse...

Seu texto está lindo!

Conheço algumas pessos assim. Tento não me envolver com elas, mas estão no trabalho... Sabe como é. Enfim, às vezes tento de alguma forma sensibilzá-las, e até me sensibilizar pela situação das mesmas. Outras vezs sinto que isso é impossível.

Gabriel Gama disse...

realmente, um grande filme.
"nunca tive amigos como os que eu tive quando tinha 12 anos", já diria o stephen king.

vica, desculpe por não ter comentado, ando realmente ocupado e isso se reflete no meu blog, como deves ter percebido.

mas olha só, tu não esteve hoje no mc café da rua da praia por volta das 10 horas da manhã? tenho quase certeza que te vi.

enfim, sobre o show: tente ir, vale a pena.

abraço!

Gabriel Gama disse...

isso! um cookie.

eu sabia
hahahaha

fiquei te olhando? deu pra perceber? que chato.

muito prazer.

Mary West disse...

O tempo é realmente um verdadeiro vilão para a amizade. Perde-se akela singela perseverança de confiar no outro, adouro os dois filme, ambos possuem lições boas, sem falar que Sean Penn anima qualquer dia. :D