sábado, 23 de setembro de 2006

Hapiness is a state of mind


Então ele me diz: pareces feliz, a vida está se encaixando pra ti? Everything falling into place... e eu digo: yeah, I am, I think I am. Acho que a gente nunca tem certeza sobre essas coisas, ou tem?
A gente fantasia para fugir da realidade. Mas porque diabos queremos fugir da realidade? O que há nela de tão ruim assim que nos faz fugir, mesmo quando ela não é essencialmente ruim? E porque tem dias que a auto confiança simplesmente vai embora, assim, sem motivo nenhum? Vai embora e nos deixa ali, perdidos, querendo chorar e fugir? Querendo simplesmente alguém que nos proteja do mundo que de um momento para o outro virou a totally hostile place?
Preguntas, preguntas. Dizem que quando sabemos todas as respostas, vem a vida e muda todas as perguntas... I looked and Elisabeth had disappeared again.
Talvez a dúvida seja o que nos mova. Mas por vezes é tão bom ter certezas. Embora, em certas ocasiões, tais certezas possam ser totalmente destruídas, num golpe fatal ninja, tipo assim, tão rápido que você nem vê. E daí fica só o choque. Só você olhando para aquela certeza espedaçada. Incrível como umas pessoas que você nem pensa, não consegue simplesmente imaginar, vão lá e te dão um belo dum rapa, e te surpreendem para a pior. Incrível, incrível mesmo. Minha mãe, citando o saudoso Barão de Itararé, sempre diz: de onde não se espera nada, dali é que não sai nada mesmo.
Ela gostava muito de dizer isso a respeito de um ex namorado meu. Pois enganou-se ela. Enganei-me eu. Porque saiu. Um monte de merda. Mas saiu...
E eu, que não devia dar a mínima, não consigo deixar de ficar chocada. Chocada mais comigo e com a minha total cegueira. Mas tudo bem, é que todo esse relacionamento em questão foi no escuro, foi na confusão, eu ainda estou tentando entender o que aconteceu comigo nesse período. Como disse meu amado: saiu da casa e passou o fim-de-semana fora. Foi mais ou menos isso.
Mas tá, passou, passou. Aquele ser saiu do meu corpo e viu que a ele não pertencia. Thank God*.
Ouvindo Gotan Project, Una musica brutal, e pensando nessas brutalidades que cometemos contra nós mesmos, sometimes. Mata, espanca, grita, chuta, esfaqueia elaaaaa!! Ela quem?? A sua auto confiança, que você pode minar por conta própria e sem motivo nenhum. Ou será que foi a bruxa?
Eu sonhei com bruxas outra noite. Eram todas amigas da minha mãe, acho que ela está mal de amigas. Tinham umas unhas enormes e queriam me arranhar o rosto.
Doidera. Space is the place, right?

3 comentários:

Taci disse...

Acho que precisamos conversar esta semana, né amiga??? Bjo

Carol disse...

uai
sabe, sempre acho que tudo é vudu!

será q é vudu?

bjs,
Carol

little_blue_sheep disse...

:D

aqui em casa tb bebemos chá de alecrim!!!optima troca!
adorei a foto!
beijos